Visualize o Termo de Consentimento

Nome técnico: Toracobraquio-mamoplastia
Nomes populares e partes do corpo: Cirurgia de Mamas, Braços e Dorso pois toda pele excedente após a perda de peso pode ser tratada.
Objetivos: Retirar o excesso de pele após a Gastroplastia redutora com intuitos estéticos e também no intuito de uma melhor higiene, deambulação e realização de atividades físicas.
Idade recomendada: normalmente entre 20 e 60 anos.

Planejamento: Área 2: Mamas, Tórax e Braços.

Cirurgia: Toracobraquio-mamoplastia.

Cirurgia: Lift Crural.
Anestesia: Local com Sedação na Área 1; Geral na Área 2; Peri-dural ou Geral nas Áreas 3 e 4.
Duração da cirurgia: de 3 a 5 horas.
Permanência na clínica: de 24 a 48 horas.
Cicatriz: longas. Mas, em locais escondidos e se houver cuidado no pós-operatório, as cicatrizes ficam imperceptíveis.

Pré-operatório:
Todos exames de laboratório de rotina, mais Proteínas totais, Albumina, Proteína C Reativa e Ferro sérico.

Pós-operatório:
Curativos diários. Usar o micropore direto sobra a lesão, e após o banho, renovar o micropore a cada 7 dias. Em caso de pontos, retirada com 10 dias. Usar as cintas ou as faixas elásticas por 2 meses.
Medicamentos: Antibiótico (Cefadroxil 500mg VO de 12/12h caixa com 8 comp.) Medicamentos tomados no hospital: Antibiótico (Kefazol 1g EV de12/12h), Antinflamatório (Profenid 01 amp. EV de 12/12h), Analgésico (Tramal 01 amp. EV se tiver dor). Outras medicações usuais para vômitos, estômago, anti-hipertensivos. O curativo é renovado. Medicamentos tomados em casa (COM RECEITA MÉDICA): Antibiótico (Cefadroxila 500mg VO de 12/12h caixa com 8 comp.), Antinflamatório (Biprofenid 01 comp. VO de 12 em 12 horas), Analgésico (Dipirona ou Tylex 30mg VO se dor) e os usuais.
Tempo de recuperação: varia conforme o tamanho e a localização das cirurgias. Em média de 1 a 3 meses.

Cuidados após a Cirurgia no Ex-obeso:

Aplicar Anti-séptico tópico (Álcool 70%, Merthiolate incolor ou Rifocina spray) sobre as cicatrizes, por cima do Micropore. Renovar o micropore a cada 7 dias, e retirar com 1 mês.
Retornar ao trabalho conforme orientação médica. Em torno de 1 mês.
Não pegar sol por no mínimo 2 meses. Fotoprotetor 30 FPS diariamente.
Em caso de cicatriz alta, massagear por um minuto com o Creme de Rosa Mosqueta à 15% + Citrato de Tamoxifeno 0,1%; ou Triancinolona à 0,5% + Hidrocortisona à 0,5%. Em caso de cicatriz avermelhada, usar Kelo-cote gel 2 vezes por dia.
A cicatriz pode ficar vermelha até 6 meses. Neste caso, não se expor ao Sol e evitar crustáceo.
Retornar para revisões de um mês, dois meses e seis meses. Retorno final com um ano.
Manter contato com o clínico geral, o nutricionista e o psicólogo do Núcleo do Obeso do Ceará.
O objetivo final da cirurgia plástica é reforçar a auto-estima do paciente conseguida com a Gastroplastia, restaurando a auto-imagem e a satisfação pessoal.

Planejamento do Tratamento do Ex-obeso:

A cirurgia plástica no Ex-obeso é hoje uma nova categoria dentro da especialidade. São cirurgias que envolvem um cuidado redobrado, tanto na parte clínica (com atenção para anemia), como na parte cirúrgica (pelo risco aumentado de hematomas e deiscências das suturas). Elas são feitas em praticamente todas as regiões do corpo, devido à quantidade de pele que sobra após a grande redução ponderal. Na face: a Ritidoplastia (lift), e a Blefaroplastia (pálpebras); no corpo: Mastopexia com prótese de mama, Abdominoplastia (normal, em Âncora, ou Circunferencial, quando necessário), Flancoplastia, Gluteoplastia, Lift de braços e de coxas, e Toracoplastia.

 

Quando os cirurgiões plásticos começaram a fazer estas cirurgias, não havia ainda uma padronização, ou adaptação para estes pacientes ex-obesos. Muitas complicações eram devido aos grandes descolamentos, que hoje, sabemos serem desnecessários. Grandes transformações foram feitas para melhorar o tratamento destes pacientes.

As primeiras Gastroplastias eram abertas, com grandes incisões medianas acima do umbigo. Logo, no tratamento do abdome as incisões medianas eram feitas com mais frequência. Hoje, com as cirurgias por vídeo, as pequenas incisões resultantes nos fazem optar por outro tipo de abdominoplastia, a circunferencial. No entanto, o abdome é apenas um capítulo a parte dos pacientes ex-obesos. Temos que ver o todo, avaliando sempre o lado psicológico destes pacientes, e planejar muito bem a sequência e a associação das cirurgias a serem feitas.

Optamos por fazer uma divisão do corpo em quatro partes: 1- face e pescoço; 2- mama, tórax e braços; 3- abdome e dorso; e 4- coxas e pernas. Desta maneira, com quatro cirurgias podemos tratar todas regiões, quando indicadas, ou necessárias. A ordem delas pode ser optada pelo paciente, sendo, normalmente, aquela região que mais o incomoda a primeira.

 

A parte 1 é mais acometida em pacientes acima dos quarenta anos, com flacidez no terço médio e inferior da face, e principalmente, no pescoço. O tratamento para estes casos é a Ritidoplastia (ou Lift facial), com preenchimentos faciais posteriormente.

 

A parte 2 é bem extensa, e pode ser necessária uma cirurgia mais ampla, a Toracobraquio-mamoplastia, normalmente com colocação de próteses de mamas. Onde são tratados os braços, a lateral do tórax, e a ptose mamária (presente em praticamente 100% dos casos).

A parte 3 é tratada com a Abdominoplastia, que muitas vezes tem uma cicatriz estendida posteriormente, para tratamento dos flancos e dorso (a Abdominoplastia circunferencial), o abdome em Âncora, com cicatriz mediana é deixado para casos mais extremos. Em alguns casos, pode ser utilizado o excesso de tecido lateral dos flancos como retalho para preenchimento da região glútea.

A parte 4, normalmente, é a última a ser feita, com a retirada da flacidez das coxas, com a Cruroplastia, ou Lift crural. Com uma cicatriz que desce pela região inguinal, coxa interna, até no joelho.

Todas as cirurgias realizadas nestes pacientes têm como objetivo aumentar sua auto-estima. Mesmo com muitas cicatrizes, o tratamento retira os últimos estigmas da obesidade extrema, ao eliminar o grande excesso de pele.